• Artigos: 0
  • Total: 0,00 €

Ampliar a imagem


Contos (Os)

Giuseppe Tomasi Di Lampedusa 

Editor: Dom Quixote

Ano de edição: 2017

Tipo de artigo: Livro

ISBN: 9789722063371

C.I.: 00000289775

Número de páginas: 256

Local edição: Lisboa

Idioma: Português

Encadernação: Brochado

Em stock, enviamos para o correio, até 24 horas.
(Salvo ruptura de stock)

Preço: 15,90 €

adicionar ao cesto

Comente este livro

Adicione à sua Lista de LeituraAdicione à sua Lista de Leitura

 Partilhar: 

O livro por dentro

contra capa

Sinopse

O presente volume reúne os quatro únicos contos do legado literário de Lampedusa: um texto de carácter autobiográfico, recordações de infância, e três histórias, A alegria e a lei, A sereia e Os gatinhos cegos.

Escritas no verão de 1955, Recordações de infância, como Gioacchino Lanza Tomasi explica na introdução, «revelam também o laboratório do escritor na fase da sua obra-prima».
Seguem-se-lhe A alegria e a lei, uma alegoria natalícia perfeita no tom e na dimensão, e A sereia, o conto mais famoso da colectânea, escrito após uma viagem ao longo da costa sul da Sicília.

No coração desta fábula, no limite entre o real e o surreal, destaca-se uma formidável personagem: o antigo professor La Ciura, que em jovem conheceu o amor da Sereia, jamais conseguindo desfrutar de outro.
O livro encerra com Os gatinhos cegos, que é dos três contos o mais próximo de O Leopardo, embora tenha nascido como primeiro capítulo de um novo romance, do qual manteve o título.

Sobre o Autor

Escritor italiano, Giuseppe Tomasi di Lampedusa nasceu a 23 de Dezembro de 1896, em Palermo. Oriundo de uma das mais ancestrais famílias da nobreza siciliana, arruinada na altura do seu nascimento, era filho do duque de Parma e neto do príncipe de Lampedusa. Viveu uma juventude boémia e irresponsável, manifestando no entanto grande interesse pela biblioteca da família, rica em volumes de língua estrangeira que lia com entusiasmo. Não obstante, a família, muito em particular a mãe, procurou desmotivá-lo das suas aspirações literárias. Com a deflagração da Primeira Grande Guerra, cumpriu o serviço militar como oficial de artilharia, até ser capturado na Hungria, mas conseguindo escapulir-se da prisão, não teve outra solução senão caminhar de volta para Itália. De regresso a casa, foi vítima de um esgotamento nervoso. Em 1926, após a morte da mãe, Lampedusa deu início à publicação de uma série de artigos sobre os escritores franceses do século XVI num periódico genovês. Durante a Segunda Guerra Mundial, Lampedusa optou por passar longas temporadas no estrangeiro. De visita a um tio, embaixador italiano em Londres, conheceu uma refugiada vinda da Lituânia, a Baronesa Alessandra Wolff-Stomersee, com quem casou. Em 1955 começou a escrever Il Gattopardo (1958), obra que veio a ser considerada como a sua melhor criação. Il Gattopardo foi publicado após a morte do autor, a 23 de Julho de 1957, ocorrida em Roma. Enviado anonimamente e a princípio rejeitado pelo também escritor Elio Vittorini, talvez pela sua análise fria do anacronismo e da nostalgia, o manuscrito acabou por ser descoberto, tornando-se num grande sucesso comercial. O romance retrata a decadência de uma família siciliana, desde os tempos da Unificação Italiana até 1910, cobrindo cerca de cinquenta anos de história. Esta sua obra foi adaptada para o cinema pelo realizador italiano Luchino Visconti em 1963, com a participação de actores como Burt Lancaster e Alain Delon. Foram também publicados a título póstumo os seus Racconti, em 1961, e os seus ensaios, em dois volumes, entre 1959 e 1971. Giuseppe Tomasi di Lampedusa. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009.
Últimos artigos visualizados