• Artigos: 0
  • Total: 0,00 €

Ampliar a imagem


Viagem Marítima com Dom Quixote

Thomas Mann 

Editor: Dom Quixote

Ano de edição: 2008

Tipo de artigo: Livro

ISBN: 9789722036504

C.I.: 00000204168

Número de páginas: 125

Idioma: Português

Em stock, enviamos para o correio, até 24 horas.
(Salvo ruptura de stock)

Preço: 4,90 €

Preço: 4,41 €

Top Leitura

adicionar ao cesto

Comente este livro

Adicione à sua Lista de LeituraAdicione à sua Lista de Leitura

 Partilhar: 

Sinopse


Thomas Mann realizou dez viagens aos Estados Unidos. Na primeira navegou a bordo do Volendam. No decurso dessa viagem o escritor dedicou-se à leitura de uma edição em quatro volumes de Dom Quixote e ocupou-se ainda com a escrita de um diário, a que chamou Viagem Marítima com Dom Quixote, onde, por um lado, expressa opiniões -certeiras, iluminadas, inteligentes -sobre a obra de Cervantes, e, por outro, descreve a vida a bordo e narra pequenos incidentes. Um magnífico ensaio que testemunha o envolvimento de um grande escritor com a obra-prima de outro grande nome da literatura.

Sobre o Autor

PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA 1929

Escritor de língua alemã, Thomas Mann nasceu em Lübeck, em 1875, numa família burguesa opulenta, domiciliada naquela cidade do Schleswig-Holstein. Era irmão do notável escritor Heinrich Mann e pai do historiador Golo Mann.

Os desejos de liberdade plena cedo o levaram a manifestar-se em favor do regime republicano e da democracia, dando provas claras desse seu liberalismo no romance Os Buddenbrook, uma análise psico-realista da burguesia decadente, que publicou em 1901, quando tinha apenas vinte e cinco anos, e que lhe conferiu considerável notoriedade no mundo da literatura. Neste romance aflora já claramente o jogo das antíteses, traço característico das suas análises psicológicas e psicossociais, como burguês e artista, vida e espírito, doença e génio, coletivo e individual, que vieram a tornar-se evidentes nos romances Tristão (1903), Tónio Kröger (1903) e Morte em Veneza (1912).

Tendo sofrido influência da filosofia de Nietzsche (1844-1900) e de Schopenhauer (1788-1860), Thomas Mann revela-se, de modo especial, como romancista de caracteres doentios e decadentes, e passa a ser considerado como mestre do romance psicológico e da novela psicológica.

No romance Montanha Mágica (1924) faz uma análise exaustiva do tempo que precedeu a 1.a Grande Guerra, numa Europa doente.

No romance Doutor Fausto (1947) volta-se para o tema da discórdia entre o espírito e a vida e leva a ação a desembocar na catástrofe do herói, em paralelo com a calamidade que pouco antes se abatera sobre o povo alemão.

Nas Confissões do Intrujão Félix Krull (1954) Thomas Mann expõe a sua velha dúvida relativamente à arte e revela a existência de traços comuns à arte e à intrujice.

Thomas Mann viveu em Munique, com pequenas interrupções de 1893 a 1933; saiu da Alemanha para a Suíça após a subida ao poder de Adolfo Hitler (1889-1945) e transferiu-se da Suíça para os Estados Unidos da América em 1938, passando, em 1944, a ter nacionalidade americana.

Recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1929 e o Prémio Goethe em 1949.

Morreu em Kilchberg (Zurique) em 1955, aos oitenta anos.

Thomas Mann é autor de uma obra literária vasta e rica, da qual fazem parte, além das já citadas, as seguintes obras: O Pequeno Senhor Friedemann (1898); Florença (1906); Alteza Real (1909); Senhor e Cão (1919); Mário e o Feiticeiro (1930); Da Próxima Vitória da Democracia (1938); Carlota em Weimar (1939); Esta Guerra (1940); A Alemanha e os Alemães (1947); O Eleito (1951); A Simplória (1953), entre outras.

Últimos artigos visualizados